Sharing is caring….

O resultado da 2ª Conferência “Cultura Pirata na Sociedade da Informação” foi muito positivo e, apesar de alguns transtornos técnicos, o organização julgou que a diversidade de comunicações contribuiu para prolongar a reflexão acerca do valor social da informação nas nossas sociedades. Os debates ajudaram a quebrar um pouco mais a visão engessada e reduzida daqueles e daquelas que ainda desconsideram a importância da informação, da cultura e do conhecimento e não se preocupam com o lugar da comunicação nos nossos processos políticos e sociais.

Infelizmente este ano não conseguimos gravar os vídeos. No entanto, solicitamos aos palestrantes para enviarem as respectivas apresentações, caso queiram partilhar. Na medida em que forem chegando ficheiros (textos, slides, fotos, etc.), partilharemos por aqui.

Fica publicado nosso agradecimento a todos e todas que apoiaram esta iniciativa.

Até agora recebemos a apresentação do Paulo Serra (UBI, BOCC), do Frederico Annes (APEL) e fotos do Rui Marçal

Atualização

Apresentações enviadas pelo Miguel Caetano e Jorge Vieira. (PDF ou PPTX)

Até a próxima.

2ª Conferência Internacional – 2012

Aparte

2ª Conferência Internacional Cultura Pirata na Sociedade da Informação
25 de Outubro de 2012 | Biblioteca Nacional
Entrada Gratuita

As recentes vitórias do Partido Pirata da Alemanha reacendem o debate internacional em redor do valor da informação. No seu plano de governo, partilha, privacidade, liberdade e transparência são palavras imperativas. Mudar a forma de fazer política e transformar a democracia através das tecnologias digitais, são objetivos declarados.

O jovem partido, para além de ser noticiado como um “vírus” na política da Europa, vem obtendo apoio de eleitores insatisfeitos com a atuação da esquerda e da direita. E o “vírus” parece espalhar-se. Desde de 2006, já são mais de 40 países a erguerem a bandeira pirata inspirados pela Suécia, onde o primeiro partido nasceu.

No interior da chamada “Sociedade da Informação”, o surgimento de um “Partido Pirata” exige uma reflexão que considere não só quantificações de assentos parlamentares, mas também uma análise crítica que vá além do frenesi espetacular dos media, a fim de contemplar o conjunto de aspectos históricos e estruturais que envolvem a questão da informação, do conhecimento e da comunicação como centro da economia e da política contemporânea.

A partir desta constatação, esta conferência propõe o debate acerca da disputa política e econômica que se trava internacionalmente sobre a informação. A intenção é questionar: 1) o papel da tecnociência no processo de reificação do simbólico; 2) as atuais leis e as políticas públicas que regulam a produção da cultura, da comunicação e do conhecimento e 3) a relação entre a partilha de informação e o monopólio do mercado digital.